HOME SOBRE RESENHAS ESCRITAS CONTATO PARCERIAS

Singularidade

(Foto: Zoltan Gabor)


Quando acordei, reparei que o sol invadia a metade do quarto. Ultimamente estava me sentindo muito agradecida pela vida que havia construído e que construía a cada dia, e ver que estava viva mais um dia e tendo a oportunidade de viver novas sensações, me fez abrir um sorriso torto.

Apesar do incrível sol, era um manhã fria de domingo. Geralmente, em dias assim, não me atrevia a levantar da cama cedo e tampouco sair de casa. Mas, me sentia uma pessoa renovada e não queria perder horas dentro de casa fazendo o que eu sempre fiz.

Enquanto caminhava pelas ruas de Londres, notei que estava mais frio do que imaginava. Graças a minha mania de levar um casaco aonde quer que eu vá, isso não foi um problema. Resolvi andar sem um rumo e fotografar pequenos detalhes que me inspirassem.


Não há como negar o quanto amo essa sensação de liberdade que a cidade me dá. É como se eu pudesse gritar sem que ninguém me julgue. É como se eu pudesse fazer as minhas loucuras sem ser notada e sem receber olhares maldosos. Essa era a melhor sensação do mundo.

Senti uma cosquinha na testa e quando reparei, começava a chover fininho. Foi quando notei que não havia pegado um guarda-chuva. Me senti um pouco desatenta por saber que em Londres pode chover a qualquer momento.

Olhei para o outro lado da rua e havia uma cafeteria na esquina. Pensei que por mais que não fizesse parte dos planos, devemos estar sempre preparados para aceitá-los e nos adaptar a eles. Atravessei a rua correndo e entrei na Starbucks. Uma coisa que eu não posso negar é que não existe sensação melhor do que uma boa e imprevisível mudança.

O cheiro de café que pairava pelo ar era indescritível. Fez-me lembrar da primeira vez que estive naquele lugar, porém do outro lado do oceano, no Rio de Janeiro. Todas as vezes que ali entrava, era como se fosse a primeira vez.

Comprei um cappuccino e sentei-me próximo a janela para que pudesse observar a vida que acontecia lá fora. Percebi que o sol havia desaparecido e eu nem havia notado. Agora as ruas eram cobertas pela chuva suave que caía do céu.

Assim que a chuva amenizou, saí em busca de um guarda-chuvas novo. Comprei no primeiro lugar que encontrei pela frente e já comecei a usá-lo. Pensei em voltar para casa, mas resolvi continuar a caminhada e a apreciação a tudo que me encantava.

Enquanto tirava foto dos cantos mais simples, mas que de alguma forma me tocavam, pude ter certeza de que cidade era linda coberta pela chuva. Aquele tom renovador que as ruas haviam ganhado combinava tão bem com o clássico e indescritível cheiro de terra molhada.

Reparei no quanto gostava de vivenciar aquilo e nas inúmeras histórias e momentos que meus olhos haviam presenciado. E eu achava isso um pouco engraçado. Há tanta coisa por aí que meus olhos tiveram o privilégio de acompanhar, mas que não houvesse uma câmera para registrar. Por mais que você descreva um momento que acredite ter sido incrível, ninguém nunca terá noção de como realmente é. E mesmo que você veja algo que alguém já viu, nunca será visto da mesma forma, pois cada um possui a sua percepção e sensibilidade.

Nossos olhos possuem esse imenso poder. Eles registram tudo, porém guardam para que cada um possa vivenciar de maneira singular. E a vida é feita disso. É feita de momentos nos quais você é capaz de dar vida e, tenha certeza, ninguém nunca os conhecerá tão bem quanto você. Não se satisfaça com uma história que ouve, uma foto que vê ou um vídeo que assiste. Levante, ajeite a roupa, faça as malas e se jogue no mundo. E, assim, espere por momentos incríveis pois, acredite, eles são garantidos.




5 comentários:

  1. Viajei nesse texto e me vi em Londres num domingo chuvoso! Senti vontade de viajar! Se pudesse eu viajaria mais vezes durante o ano. Amei seu post!
    Beijos,
    http://contosdacabana.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que alegria saber que conquistei meu objetivo com o texto! A ideia é viajar sem sair do lugar! Eu tenho vontade de viajar todos os dias hahaha. Se eu pudesse, passaria a vida viajando. Por que não tenta se organizar melhor para fazer mais viagens inesquecíveis?
      Fico muito feliz por saber que gostou!
      Bjs ♥

      Excluir
  2. Viajei nesse texto e me vi em Londres num domingo chuvoso! Senti vontade de viajar! Se pudesse eu viajaria mais vezes durante o ano. Amei seu post!
    Beijos,
    http://contosdacabana.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que alegria saber que conquistei meu objetivo com o texto! A ideia é viajar sem sair do lugar! Eu tenho vontade de viajar todos os dias hahaha. Se eu pudesse, passaria a vida viajando. Por que não tenta se organizar melhor para fazer mais viagens inesquecíveis?
      Fico muito feliz por saber que gostou!
      Bjs ♥

      Excluir
  3. Simplesmente amei o texto, ele é de uma delicadeza imensa! Adorei o blog também, super bem feito :3

    ResponderExcluir

© Escritora por um acaso / Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Colorindo Design / Ilustrações por: Kézia Martins
Tecnologia do Blogger.